Guía de Archivos y Fondos Documentales


Búsqueda avanzada »
Vinculados con las graves violaciones a los derechos humanos ocurridas en el marco de las coordinaciones represivas del Cono Sur.

Fondo CEDIC/PUC-SP FCLAMOR - Comitê de Defesa dos Direitos Humanos para os Países do Cone Sul - CLAMOR

Área de identidad

Código de referencia

BR 01 CEDIC/PUC-SP FCLAMOR

Título

Comitê de Defesa dos Direitos Humanos para os Países do Cone Sul - CLAMOR

Fecha(s)

  • 1970 - 1992 (Creación)

Nivel de descripción

Fondo

Volumen y soporte

Extent
Suporte papel: aprox. 14 metros lineares; suporte audiomagnético: 21 itens.

Área de contexto

Nombre del productor

Comitê de Defesa dos Direitos Humanos para os Países do Cone Sul – CLAMOR *** (1977(final) 1978 (início) – 1991)

Historia administrativa

Na década de 1970, diante da necessidade urgente de prestar solidariedade – o que vinha sendo feito por alguns outros grupos no limite das brechas da legalidade permitida pelo regime brasileiro –, um grupo começou a se organizar no final do ano de 1977 na cidade de São Paulo, preocupados com o aumento dos casos de prisões sem justificativas, torturas, sequestros e desaparecimentos cada vez mais frequentes. A primeira reunião de dois dos fundadores do grupo – Jan Rocha e Luiz Eduardo Greenhalgh – ocorreu sem planejamento de ambos. Um casal de argentinos que foi testemunha de assassinatos cometidos pela repressão em seu país, já mantinha contatos com Jan Rocha e Greenhalgh, separadamente, para contar suas histórias. Em um domingo, na Rua Turiassú, no bairro Perdizes da capital paulista, o casal organizou um encontro secreto para explanar seus projetos de criação de um Comitê de solidariedade aos refugiados latino-americanos no Brasil. Ali, Jan e Greenhalgh, apesar de já se conhecerem de lutas cotidianas, surpresos, se encontraram, e deram início aos planos que culminaram com a criação do grupo Clamor. Pensando em quem mais poderia contribuir com o grupo, chegaram ao nome do pastor Jaime Wright. Os três membros fundadores do Clamor, vivendo sob a ditadura no Brasil, tiveram suas trajetórias marcadas por histórias de clandestinidade, desaparecimentos e outras experiências traumáticas produzidas por regimes de exceção, que impactaram na sua opção por atuar na defesa dos direitos humanos, mesmo antes da fundação do Clamor.
A jornalista Jan Rocha, nascida na Inglaterra, morava no Brasil desde 1969, quando de seu casamento com o advogado brasileiro Plauto Tuyuty da Rocha. Jan foi correspondente internacional do jornal The Guardian, entre 1973 e 1994, e da Rádio BBC de Londres, de 1984 a 1994. Também era assistente social e tinha boas relações com a Anistia Internacional. Jan Rocha produziu reportagens importantes, sendo que numa delas registrou o depoimento do pastor Jaime Wright sobre o desaparecimento de seu irmão, Paulo Stuart Wright, anos antes da existência do próprio Clamor.
O advogado Luiz Eduardo Greenhalgh, nome de referência entre os familiares de presos políticos brasileiros, também era militante na luta pelos direitos humanos. Vivendo no Brasil, Luiz Eduardo exercia uma atividade perigosa, pois diversos advogados foram alvos de ameaças e mesmo de sequestros e prisões.
O pastor presbiteriano brasileiro Jaime Wright, desde o golpe de 1964, engajou-se na luta pela defesa dos direitos humanos. Secretário-Geral da Igreja Presbiteriana Unida do Brasil, Jaime ajudou a consolar famílias, enviar denúncias ao exterior e estruturar entidades que lutavam pelos direitos humanos. Em 1973, Jaime Wright procurou o advogado Luiz Eduardo Greenhalgh pedindo ajuda para encontrar Paulo Stuart Wright, seu irmão desaparecido em setembro desse ano. O pastor também procurou o auxílio de dom Paulo Evaristo Arns para localizar seu irmão, estabelecendo com o cardeal uma amizade e companheirismo na realização de muitos projetos.
Assim, a jornalista, o advogado e o pastor engajados em causas solidárias, usaram sua atividade profissional como militância em prol dos direitos humanos. Após aquele primeiro encontro na residência do casal argentino houve novas reuniões, com o objetivo de elaborar premissas de atuação e estruturação de um grupo para acolher a grande quantidade de estrangeiros que acorriam a São Paulo em busca de asilo e de alguém disposto a escutar suas denúncias e tomar as providências cabíveis em tempos de repressão. As primeiras reuniões aconteceram no Instituto Sedes Sapientiae e nas casas dos membros. Chegaram ao consenso da necessidade de articular-se com a Igreja Católica, que garantiria proteção ao grupo.
O nome Clamor surgiu nas primeiras reuniões, e foi escolhido por ser forte, mobilizador e ter o mesmo significado em português, espanhol e inglês, por conter a palavra amor e as letras L e A, de América Latina. O nome fez o pastor lembrar um texto bíblico, o salmo 88, que se encaixava perfeitamente como lema do grupo: “Inclina os teus ouvidos ao meu clamor”. O símbolo do grupo veio de um cartão recebido por Greenhalgh, no Natal daquele ano, do preso político Manuel Cirilo de Oliveira Neto. A capa do cartão trazia uma vela detrás das grades, e tornou-se símbolo da busca de esperança aos prisioneiros e perseguidos pelos sistemas repressores. O grupo também possuía um slogan: “SOLIDARIEDADE NÃO TEM FRONTEIRAS”, e foi com ele que o Clamor percorreu todos os países do Cone Sul, além de ter buscado apoio e ajuda financeira junto a organismos internacionais.
O grupo procurou o cardeal-arcebispo de São Paulo, dom Paulo Evaristo Arns, considerado “cardeal subversivo” pelos ditadores. Mergulhado na realidade e nas necessidades do povo, dom Paulo foi um problema constante para os militares, e ficou famoso por sua atuação a favor dos direitos humanos em sua arquidiocese. Anos antes, Dom Paulo começou a montar uma ampla rede de defesa dos direitos humanos, na qual o Clamor inseriu-se; seu engajamento foi tão expressivo que empresários paulistas redigiram uma carta assinada por vinte mil pessoas exigindo ao Vaticano seu afastamento da Arquidiocese de São Paulo, pedido este que não foi atendido.
Dessa forma, o Clamor foi incorporado à Comissão Arquidiocesana de Pastoral dos Direitos Humanos e Marginalizados, criada em 1976, tornando-se um anexo dessa Comissão, com o intuito de cuidar da grande quantidade de estrangeiros que acorriam à Cúria Metropolitana em busca do amparo de dom Paulo. O Clamor, que não é uma sigla, integrou-se à arquidiocese como Comitê de Defesa dos Direitos Humanos para os Países do Cone Sul. Trabalhando junto ao Clamor, na Arquidiocese de São Paulo, estava a Comissão Justiça e Paz (CJP-SP).
O grupo começou a trabalhar de forma improvisada na Cúria, estabelecendo seus objetivos, sendo o mais urgente deles dar assistência aos refugiados que buscavam auxílio na Cúria e não eram reconhecidos pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR). O segundo objetivo era a divulgação de todas as denúncias recebidas após confirmação de sua veracidade. O meio utilizado para difundir tais denúncias foi a publicação de boletins não periódicos distribuídos em três idiomas: português, voltado à imprensa e entidades nacionais; espanhol, para entidades de direitos humanos, amigos e familiares de perseguidos políticos; inglês, para organismos europeus e da América do Norte. A responsável pela confecção desses boletins era Jan Rocha: foram publicados 17 números, ao longo de doze anos. Entre os assuntos tratados, há um documento especial sobre cada um dos países do Cone Sul, enfocando as violações dos Direitos Humanos; a luta do povo para denunciar e derrotar os regimes militares implantados; a situação das prisões e o tratamento dado aos presos; edição especial sobre a opressão sofrida pelos sindicatos no Cone Sul; número sobre a legislação pertinente aos refugiados; em 1980, denúncia completa das violências praticadas na Bolívia depois do golpe militar. O último objetivo foi o estabelecimento de contatos com entidades nacionais e internacionais de defesa de direitos humanos para a formação de uma rede.
Quanto ao caráter ecumênico do grupo, apesar de estar incrustado na Arquidiocese de São Paulo, o Clamor reuniu católicos e protestantes em busca de uma causa comum em atividades nas quais a solidariedade independia do credo. Conforme o Padre Roberto Grandmaison, nem todos os membros do grupo praticavam alguma religião, mas a ação do Clamor fazia parte de um grande processo de evangelização. Dom Paulo Evaristo sempre teve a mente aberta, estando, naquele momento, mais preocupado com a situação extrema de repressão na América Latina. O grupo contava, também, com o apoio da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), e da Coordenadoria Ecumênica de Serviços (CESE), fundada por James Wright.
A presença do pastor Jaime Wright no grupo garantiu a concessão de uma verba periódica junto ao Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que agrupava, em meados da década de 1970, cerca de 500 milhões de fiéis de igrejas protestantes, ortodoxas e anglicanas e tinha um setor específico de direitos humanos para a América Latina. Quem dirigia esse setor era Charles Harper, grande amigo do pastor Wright. Além dele, outro amigo do pastor, Philip Potter, secretário-geral do CMI, articulou junto à entidade para financiar as atividades do grupo Clamor.
Desde o início, foi acordado que o Clamor nascia com data para terminar: quando se extinguissem as ditaduras de Segurança Nacional no Cone Sul. O Clamor surgiu para lutar contra as violações dos direitos humanos nos países sob forte repressão, nos quais mesmo grupos de solidariedade eram perseguidos e/ou impedidos de atuar.
Desse modo, no início do ano de 1978 o grupo Clamor iniciou suas atividades. A Comissão Arquidiocesana de Pastoral dos Direitos Humanos e dos Marginalizados de São Paulo passou a abastecer o grupo com alguns de seus integrantes: os dois primeiros reforços foram a irmã estadunidense Michael Mary Nolan e o padre canadense Roberto Grandmaison.
Com o aumento da demanda de trabalho, em 1979, o quadro de voluntários precisou ser ampliado, e mais dois integrantes da Comissão Arquidiocesana foram recrutados para o grupo: o advogado Fermino Fecchio e a química e professora Thereza Brandão, que havia morado no Chile e tinha bons contatos neste local, ficando encarregada pelos casos desse país.
Após um desentendimento interno – que levou à saída do pastor Jaime Wright do grupo em abril de 1984 –, novas voluntárias foram incorporadas: a psicóloga e psicanalista Maria Auxiliadora de Almeida Cunha Arantes; Maria Aparecida Antunes Horta, esposa de Greenhalgh; Inge Schilling, esposa de Paulo Schilling e mãe de Flávia Schilling. Os dois últimos reforços foram a tradutora Lilian do Amaral Azevedo, e frei João Xerri.
Além desses membros nominados, cabe ressaltar a importância da participação dos familiares dos integrantes do Clamor em seu apoio estratégico ao grupo. São os casos, dentre outros, de Alma Wright, esposa do pastor Jaime, e do advogado brasileiro Plauto Tuyuty Rocha, esposo de Jan.
O sucesso do Clamor foi possível graças ao trabalho coletivo com tantas outras entidades de defesa dos direitos humanos; grupos de familiares de presos e desaparecidos políticos; e indivíduos que prestaram seu apoio à causa solidário do Comitê. A relação do Clamor com a rede integrada de defesa dos direitos humanos se deu por meio da troca de informações para compor e fundamentar denúncias (como as listas de desaparecidos), da ajuda mútua a favor de perseguidos políticos, na tentativa de localização das vítimas e resolução coletiva de problemas comuns aos países do Cone Sul. Os métodos utilizados para tais fins foram a contrainformação como forma de resistência não violenta e uma estratégia de ação oposta àquela já criada pelos sistemas repressivos para aniquilar adversários, articulando uma “Operação Contra Condor” de solidariedade sem fronteiras.
Um dos trabalhos que mais prendeu a atenção de todos da equipe do Clamor foi a elaboração da lista de desaparecidos da Argentina. Seu objetivo foi mostrar que cada um dos milhares de desaparecidos era uma mulher, um homem, uma criança, pai, mãe ou filho, com identidade, e não um número, ou pior, uma abstração. Esse trabalho teve a duração de dois anos, e contou com a colaboração de vários refugiados. Em 1980, foi elaborada uma ficha-padrão para coleta de informações e denúncias de tortura e desaparecimentos, estruturada de forma a permitir seu preenchimento em qualquer língua. A ideia foi a de se personalizar os desaparecidos e de se ter uma referência mais concreta sobre sua idade, sua profissão, sua família, seu estado civil, o lugar e a data sua prisão. A sistematização desses dados deu origem ao livro “Desaparecidos en la Argentina” (Disapeared in Argentina), publicado em 1982. O livro, editado em espanhol e em inglês, reuniu, em suas 416 páginas, informações de 7.791 desaparecidos na Argentina.
A repercussão desse trabalho levou a Comisión Nacional de los Desaparecidos Políticos (CONADEP), organizada na Argentina a partir da posse do presidente eleito Raúl Alfonsín, no início de 1984, a solicitar ao Clamor subsídios sobre os desaparecidos elencados no livro, a fim de aprofundar suas investigações e descobrir seu paradeiro. O trabalho de elaboração da lista dos desaparecidos permitiu ao Clamor aprofundar uma pesquisa que havia iniciado a partir de denúncias muito sérias a respeito de “crianças desaparecidas”. Foi constatada que a barbárie tinha caído num nível raramente atingido pela pessoa humana: sequestrar mães grávidas; torturá-las; esperar a hora do parto para depois matá-las e traficar os bebês. Isto sem falar nas crianças que foram sequestradas junto com seus pais na ocasião da prisão dos mesmos: houve uma compilação comprovada de cento e sessenta e três casos.
O Clamor realizou muitas diligências para apurar os casos dessas crianças e colaborou na solução de vários deles, como, por exemplo, o caso de “Anatole e Victoria Eva Lucia”: crianças uruguaias sequestradas junto com seus pais na Argentina, deportadas ilegalmente para o Chile, onde o Clamor os achou na cidade de Valparaíso. Os pais dessas crianças foram mortos nos porões da ditadura argentina. A localização de Anatole e Vicky desencadeou uma reação em cadeia na tentativa de localização de outras crianças desaparecidas. Cartas, denúncias, telegramas chegaram de vários países do Cone Sul, fazendo apelos, fornecendo dados para que o Clamor denunciasse outros desaparecimentos.
O Clamor também atuou dentro do Brasil: deu o alarme quando os refugiados uruguaios Lilián Celiberti, seus dois filhos e Universindo Díaz Rodríguez foram sequestrados em Porto Alegre, em novembro de 1978.
Depois de atingidos seus objetivos, o Clamor encerrou suas atividades em 1991, propositalmente no dia 10 de dezembro, dia internacional dos Direitos Humanos.

Historia archivística

O Comitê de Defesa dos Direitos Humanos para os Países do Cone Sul (CLAMOR) foi fundado em fins de 1977/início de 1978, por iniciativa de um grupo de leigos cristãos apoiados pelo arcebispo de São Paulo. Órgão vinculado à Comissão Arquidiocesana de Pastoral dos Direitos Humanos e Marginalizados, seu objetivo inicial era proporcionar proteção e assistência aos refugiados do Cone Sul, vítimas de violações dos direitos humanos e vivendo no exílio em consequência das arbitrariedades do autoritarismo vigente durante o período de 1960 a 1980, aproximadamente. Com a abertura política e o fim dos regimes autoritários na região do Cone Sul, o Comitê encerrou suas atividades em 1991. O nome CLAMOR, pelo qual o Comitê passou a ser conhecido, foi retirado do Salmo 88,2 - "inclina teu ouvido a meu clamor" -, enfatizando uma de suas principais características: denunciar as contínuas violações dos direitos humanos ocorridas na América Latina. A equipe do CLAMOR era formada por cerca de dez pessoas, das quais apenas uma - a secretária - trabalhava tempo integral. Os demais membros se reuniam uma vez por semana para definir as tarefas que deveriam realizar. Um dos principais responsáveis pela fundação do CLAMOR, foi o reverendo Jaime Wright, presidente do organismo durante vários anos, dele desligando-se em 1984, para cuidar de outras atividades também na área de direitos humanos. As principais atividades desenvolvidas pelo CLAMOR eram a realização de conferências de imprensa, nas quais se denunciavam violações de direitos humanos; seminários de caráter internacional referentes à situação dos países do Cone Sul; e campanhas pelas crianças desaparecidas, em conjunto com a Associação "Abuelas de Plaza de Mayo", tendo prestado vital colaboração na localização de crianças e adultos. Outra atividade do Comitê era a elaboração de informes gerais sobre violação dos direitos humanos que ocorriam no Cone Sul, de cartilhas e folhetos críticos da doutrina de Segurança Nacional e divulgadores dos valores democráticos. O Boletim CLAMOR, publicação de periodicidade irregular, trazia informações sobre as atividades da organização, notícias e análises da situação do Brasil e dos países do Cone Sul, assim como notícias e documentos mais gerais sobre direitos humanos. Era editado em português, inglês e espanhol. Durante a sua existência, o Comitê de Defesa dos Direitos Humanos para os Países do Cone Sul manteve intercâmbio constante com muitas organizações afins, tanto do Brasil, quanto da América Latina e do Norte, e da Europa, tais como: Human Rights Internet (HRI), Comisión Chilena de Derechos Humanos (CCDH), Federación Latinoamericana de Asociaciones de Familiares de Detenidos Desaparecidos (FEDEFAM), Asociación Centroamericana de Familiares de Detenidos Desaparecidos (ACAFADE), Consejo de Educación de Adultos de América Latina (CEAAL), Comisión Andina de Juristas, SOS Torture, Madres e Abuelas de Plaza de Mayo, Amnistia Internacional, Asemblea Permanente por los Derechos Humanos (APDH), Servicio Paz e Justicia (SERPAJ), Centro Ecumênico de Documentação e Informação (CEDI), Fundación de Ayuda Social de las Iglesias Cristianas (FASIC), United Nations, entre outras. Com a abertura política do início da década de 80 e o conseqüente fim dos regimes autoritários na região do Cone Sul, paulatinamente, o CLAMOR foi perdendo a sua principal função - de proteger e assistir os refugiados políticos -, extinguindo-se em 1991.

Origen del ingreso o transferencia

A documentação do Clamor foi produzida pela própria instituição a partir do inicio de suas atividades. A ela somaram-se documentos provenientes de outras organizações sociais de direitos humanos de diferentes países da America Latina e o resto do mundo com as quais Clamor mantinha relações e comunicação. Também fazem parte do acervo, documentos acumulados de diferentes instituições, entidades e pessoas que, por motivos de persecução politica dirigiam-se á ao Comitê para denunciar os abusos das ditaduras militares e solicitar ajuda. Assim podemos encontrar correspondência sobre prisões e desaparecimentos na América Latina, informes mensais e anuais das atividades realizadas por organizações de defesa dos direitos humanos, informes de conferências sobre presos políticos e desaparecidos, assinatura de publicações, listas de nomes de presos/desaparecidos/mortos, entre outras. Os documentos do fundo CLAMOR foram acumulados como decorrência da atuação da entidade. Após a extinção do Movimento em 1991, seu Arquivo foi entregue à guarda da Dra. Michael Nolan, que a repassou, em parte, ao Arquivo Metropolitano “Dom Duarte Leopoldo e Silva” (Arquidiocese de São Paulo), tendo doado a parcela considerada material de apoio ao Centro Ecumênico de Serviço à Evangelização e Educação Popular – CESEP. Alguns documentos encontravam-se sob a guarda de outros ex-militantes. Todo este acervo posteriormente foi doado ao Clamor para sua preservação, organização, preservação e custodia permanente.

Área de contenido y estructura

Alcance y contenido

O Fundo compõe-se de informes mensais e anuais das atividades desenvolvidas por organizações de defesa dos direitos humanos, relatórios de conferências sobre presos e desaparecidos políticos, correspondência sobre prisões e desaparecimentos ocorridos na América Latina, formulários para assinatura de publicações, dossiês sobre detidos /desaparecidos políticos, listas de nomes dos presos/desaparecidos/mortos encontrados, informes mensais sobre as situações repressivas ocorridas no Chile e no Peru, cartazes sobre as prisões e desaparecimentos forçados em vários países da América do Sul, cartazes sobre eventos em defesa dos direitos humanos, folhetos de divulgação de cursos e de entidades de direitos humanos, catálogos de publicações à venda, textos de estudo e de reflexão sobre violação de direitos humanos, listas de presos políticos do Chile, listas de estatísticas de prisões e desaparecimentos forçados na América Latina, discursos, relatórios de Campanhas pelos direitos humanos, textos sobre a atuação de organismos de Direitos Humanos no Chile, resoluções de reuniões, cartilhas sobre direitos humanos, relatórios de viagens pela América Latina, folhetos de campanha contra a violência, recursos de advogados perante o Tribunal de Justiça, matérias jornalísticas sobre presos e desaparecidos políticos, manifestos de familiares contra a impunidade do Estado e de seus funcionários, livros e folhetos sobre direitos humanos e sua Programa Memória do Mundo da Unesco Comitê Nacional do Brasil violação, e publicações periódicas de várias organizações voltadas para a defesa dos direitos humanos na América Latina. (Fonte Arquivo Nacional)

Valorización, destrucción y programación

Documentação de Valor Histórica permanente

Acumulaciones

.

Sistema de arreglo

O acervo esta identificado na sua totalidade. A organização corresponde a 50% do total de sua documentação. Os restantes 50% se encontram parcialmente organizados e em processo de organização arquivística. O arranjo do fundo CLAMOR apresenta dois grupos estruturais, estabelecidos em seu primeiro nível de divisão interna, e cinco subgrupos funcionais distintos, estabelecidos no segundo nível de divisão. Abaixo desses últimos, temos as séries por espécie ou tipologia, e os dossiês. O grupo Comissão Coordenadora possui os subgrupos Administração e Intercâmbio de Informações e Publicações. O grupo Clamor, os subgrupos Elaboração e Divulgação de Publicações; Participação em e Promoção de Eventos; Planejamento e Atuação. Dentro de cada subgrupo, as séries e dossiês foram ordenados alfabeticamente.

Área de condiciones de acceso y uso

Condiciones de acceso

• Restrição a Documento(s) sigiloso(s). Condição fixada pelo doador e pelo próprio Centro de Documentação. • Alguns depoimentos, selecionados pelos antigos membros do CLAMOR, foram considerados sigilosos, por abordarem a vida de menores de idade na ocasião de sua produção. O grupo ainda não definiu o prazo de vigência dessa restrição. • Antes da consulta, o pesquisador tem acesso aos instrumentos de pesquisa, nos quais consta a informação sobre a existência de sigilo. O pesquisador é informado que a documentação sigilosa não está disponível para consulta. • Toda a negativa de acesso é acompanhada de justificativa para conhecimento do pesquisador. No caso específico do Fundo CLAMOR, ao final do processo de organização física da documentação, os casos de sigilo serão revistos junto aos antigos membros do Comitê. • O objetivo do CEDIC é rever a classificação dos documentos sigilosos para acessíveis ao público.

Condiciones

Com restrição - Em tratamento técnico

Idioma del material

  • alemán
  • español
  • inglés

Escritura del material

Notas sobre las lenguas y escrituras

Características físicas y requisitos técnicos

O CEDIC conta com depósito climatizado 24 horas/dia, inclusive aos sábados, domingos e feriados. Recentemente, adquirimos caixas arquivo, pastas e papéis com qualidade arquivística para o reacondicionamento do Fundo CLAMOR, que está em processo de organização física e revisão do inventário.

Instrumentos de descripción

Listagem do conteúdo das caixas e pastas que compõem o fundo, a fim de facilitar o acesso durante o processo de re acondicionamento do fundo. ANDRADE, Ana Célia Navarro. Descrição do Fundo Comitê de Defesa dos Direitos Humanos para os Países do Cone Sul. Dissertação de Mestrado em História Social – Linha de Pesquisa “Historiografia e Documentação”, orientada pela Profª Dra. Ana Maria de Almeida Camargo, defendida na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - FFLCH, da Universidade de São Paulo (USP), em dezembro de 2000. São Paulo, 2000. - Não definido Guia do Centro de Documentação e Informação Científica “Prof. Casemiro dos Reis Filho” – CEDIC – PUC-SP. São Paulo: EDUC, 1995. 160p. (Coleção Memória, Documentação e Pesquisa, 3) - Não definido

Área de materiales relacionados

Existencia y localización de originales

Arquivo Metropolitano “Dom Duarte Leopoldo e Silva” (Arquidiocese de São Paulo), tendo doado a parcela considerada material de apoio ao Centro Ecumênico de Serviço à Evangelização e Educação Popular – CESEP.

Existencia y localización de copias

Unidades de descripción relacionadas

Área de notas

Puntos de acceso

Puntos de acceso por materia

Puntos de acceso por lugar

Área de control de la descripción

Identificador de la descripción

BR

Identificador de la institución

Reglas y/o convenciones usadas

Norma ISAD (G)

Estado de elaboración

Final

Nivel de detalle

Básico

Fechas de creación revisión eliminación

01/05/2013

Idioma(s)

  • español
  • portugués

Escritura(s)

Fuentes

Memorias Reveladas - Arquivo Nacional
PROGRAMA MEMÓRIA DO MUNDO DA UNESCO COMITÊ NACIONAL DO BRASIL REGISTRO NACIONAL 2007 : CLAMOR Arquivo do Comitê de Defesa dos Direitos Humanos para os Países do Cone Sul, do Centro de Documentação e Informação Científica – CEDIC / PUC / SP
Entrevista com os responsáveis do CEDIC

Área de Ingreso

Materias relacionadas

Lugares relacionados